Campanha visa o despertar da solidariedade dos fiéis e da sociedade

Este ano a Campanha da Fraternidade (CF) apresenta o tema “Fraternidade e Políticas Públicas” e o lema inspirado no profeta Isaías “Serás libertado pelo direito e pela justiça” (Is 1,27). O Texto-Base da Campanha é composto em três partes: ver, julgar e agir, e faz parte de uma linha de subsídios que é composta do manual, dos círculos bíblicos, dos encontros catequéticos para crianças e adolescentes, além da Via-Sacra e um texto para vigília e celebração da misericórdia

Na apresentação do Texto-Base da Campanha da Fraternidade 2019, Dom Leonardo Ulrich Steiner, Bispo Auxiliar de Brasília (DF) e Secretário-Geral da CNBB, recorda as práticas propostas pela Igreja para a vivência dos exercícios quaresmais, que são a oração, a esmola e o jejum. Ele explica que todos os anos a Conferência Nacional do Bispos do Brasil apresenta a Campanha da Fraternidade como caminho de conversão quaresmal. “Um caminho pessoal, comunitário e social que visibilize a salvação paterna de Deus”, descreve o texto

     A Campanha da Fraternidade é uma um movimento realizado anualmente pela Igreja Católica Apostólica no Brasil no período da Quaresma, coordenada pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Seu objetivo é despertar a solidariedade dos fiéis e da sociedade em relação a um problema concreto que envolve o povo brasileiro, em busca de soluções. A cada ano é escolhido um tema, que define a realidade concreta a ser transformada, e um lema, que aponta em que direção se busca a transformação e está alicerçada em duas bases fundamentais:

     - Educar para a vida em fraternidade, com base na justiça e no amor, exigências centrais do Evangelho;

     - Renovar a consciência da  responsabilidade de todos pela ação da Igreja na evangelização e na promoção humana, tendo em vista uma sociedade justa e solidária.


O que são Políticas Públicas? 

     O Texto-Base da Campanha da Fraternidade 2019 define Política Pública como “o cuidado do todo realizado pelo Governo ou pelo Estado. São aquelas ações discutidas, decididas, programadas e executadas em favor de todos os membros da sociedade. São ações de Governo ou ações do Estado. De Governo, porque ligadas a um determinado executor, portanto, é temporário. De Estado quando são ações permanentes, ligadas à educação, à saúde, à segurança pública, ao saneamento básico, à ecologia e outros. Elas visam especialmente as pessoas que são empurradas para as margens da sociedade e até excluídas”.

     O Texto-Base enfatiza que Política Pública não é somente a ação do governo, “mas também a relação entre as instituições e os diversos atores, sejam individuais, sejam coletivos, envolvidos na solução de um determinado problema e, para isso, utilizam alguns princípios, critérios e procedimentos que podem resultar em ações, projetos ou programas para garantir os direitos e deveres previstos na Constituição Federal e em outras leis”.


Via Sacra

     Na Paróquia São João Bosco, toda sexta-feira à noite, durante o tempo da Quaresma, será realizada Via-Sacra com textos e orações da Campanha da Fraternidade. No final desse período, os fiéis receberão envelope que deverá ser devolvido com oferta voluntária na missa de Domingo de Ramos.



Tipos de Políticas Públicas que regem uma sociedade


     Pertencem aos tipos de política pública as políticas sociais, como a política pública de saúde, da educação, da habitação, da Previdência Social, dentre outras. Além disso, as políticas públicas fiscais, monetárias, cambiais, industriais e comerciais pertencem ao grupo das políticas públicas macroeconômicas e há, ainda, um tipo de política pública administrativa, que engloba as ações para a democracia, descentralização das tomadas de decisões e a própria participação social. E, por fim, existem as políticas públicas específicas, como as do meio ambiente, as da cultura, as agrárias, as dos direitos humanos, as das mulheres, as dos negros, as dos jovens, dentre outras.


A família como vai?

     Outros temas como “O Papel dos Atores Sociais nas Políticas Públicas” e “O Protagonismo dos Jovens”, além da colaboração dos movimentos sociais na elaboração das Políticas Públicas são tratados no Texto-Base da Campanha da Fraternidade 2019, bem como a questão da família. Em 2019, celebram-se os 25 anos da Campanha da Fraternidade que abordou o tema da família: “A família como vai?”.

     Na ocasião, São João Paulo II dirigiu uma mensagem ao povo brasileiro que se faz ainda muito atual: ‘Urge, caros irmãos, restaurar o sentido cristão do matrimônio. Urge considerá-lo, especialmente dentro da Pastoral das Famílias, como uma vocação à santidade nas realidades ordinárias da vida conjugal; recordem os casais que é sinal revelador da autenticidade do amor conjugal a abertura à vida, mesmo quando Deus não envia prole. Naturalmente, as responsabilidades da procriação se estendem também ao empenho de fazer crescer os filhos em uma vida humana e cristã, por meio de uma sadia e contínua obra educadora’” (CF, artigo 106).


Idealizador do cartaz da CP

     Padre Erivaldo Dantas, religioso paulino, foi o vencedor do concurso feito para escolha da arte oficial da CF 2019.  Segundo ele, a arte do cartaz expressa questões relacionadas à educação, saúde, meio ambiente e desenvolvimento social. “Levando em consideração que a temática das políticas públicas é bastante ampla e interessa a toda a sociedade, não se pode falar de políticas públicas sem levar em consideração tais aspectos. Por isso, busquei de alguma forma representar, por meio de silhuetas, a presença de algumas dessas categorias que considero fundamentais para a discussão das políticas públicas”, explicou padre Dantas. 




O gesto concreto da Campanha da Fraternidade

     A Campanha da Fraternidade aconteceu pela primeira vez na Quaresma de 1962 em Natal (RN). Cresceu aos poucos e ganhou o apoio de organismos nacionais e da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Sob a inspiração do Concílio Ecumênico Vaticano II, a ideia central foi colocar os fiéis em uma posição protagonista diante das obras sociais mantidas pela Igreja.

     De 1985 até hoje, os temas têm se voltado às realidades existenciais do Brasil: fome, desemprego, a importância da família, drogas, aborto e os males da falta de cuidado com o meio ambiente.

     Baseada no critério do “ver, julgar e agir”, a  Campanha da Fraternidade promove um gesto concreto que se expressa na coleta solidária, realizada no Domingo de Ramos. Todas as comunidades católicas do Brasil se unem e arrecadam para o Fundo Nacional de Solidariedade e os Fundos Diocesanos de Solidariedade. 60% dos recursos são destinados ao apoio de projetos sociais da própria diocese e 40% são revertidos para as diferentes regiões do país.

     No ano passado, a Paróquia São João Bosco arrecadou como Coleta da Campanha da Fraternidade no Domingo de Ramos R$ 1.750,00.
Voltar Topo Enviar a um amigo Imprimir Home