Comunidade Nossa Senhora da Esperança


No centro, padre Claudio Andrade Motta, pároco da Paróquia São João Bosco, com membros da Comunidade Nossa Senhora da Esperança

     Falar de uma comunidade que existe há quase 50 anos é fácil, porque com certeza é um Projeto de Deus. A Comunidade Nossa Senhora da Esperança nasceu praticamente junto com a comunidade paroquial da Paróquia São João Bosco. Muitas pessoas trabalharam e dedicaram-se para construir e contribuir na evangelização, levar a Palavra de Deus através de celebrações, novenas, terços, via-sacra e, inclusive, encenação da Paixão de Cristo.

     Muitas dificuldades foram enfrentadas, mudanças aconteceram, mas nos adaptamos à realidade presente, sem perder o objetivo maior: o compromisso de espalhar boas sementes.

     Hoje a Comunidade Nossa Senhora da Esperança participa ativamente dos eventos realizados na Paróquia São João Bosco: jantares, bingos, a Festa Junina onde temos equipes responsáveis por duas barracas (a do pernil e a dos doces caseiros), além das missas às terças-feiras.

     As missas dominicais da Comunidade Nossa Senhora da Esperança são realizadas na Escola “Di Cavalcante”, no Conjunto Residencial Alto de Pinheiros (BNH), às 9 horas. Na Quaresma são realizados encontros de meditação sobre o tema da Campanha da Fraternidade e, no Natal, a tradicional novena.

     Membros da comunidade levam a Eucaristia aos idosos e doentes após a Santa Missa aos domingos. Quinzenalmente, às quartas e sábados, o mesmo é feito em casas de repouso, com atendimento médio de 100 idosos. 

     A contribuição dos membros da Comunidade Nossa Senhora da Esperança é ativa, levando esperança e colocando o coração em tudo que se comprometem, seguindo o exemplo de Paulo, na Carta aos Col. 3: 23-24 “Tudo o que fizerem, façam de todo o coração, como para o Senhor, e não para os homens, sabendo que receberão do Senhor a recompensa da herança. É a Cristo, o Senhor, que vocês estão servindo.”

     Convidamos você, leitor, a vir nos conhecer, comungar e rezar juntos por um mundo melhor. Peçamos a Nossa Senhora da Esperança que nos abençoe e nos ajude a silenciar quando for necessário, mas também clamar por justiça e nos posicionarmos a favor do que é correto, edificando os irmãos e a comunidade.


Colaboração especial: Maria de Lourdes Crepaldi, coordenadora



Pastoral da Solidariedade



     A Pastoral da Solidariedade faz parte da Comunidade Nossa Senhora da Esperança, que há quase 50 anos atua em várias frentes de trabalho junto à Paróquia São João Bosco. Seu principal objetivo é realizar a entrega de cestas básicas. Atualmente 60 famílias carentes são mensalmente assistidas e acompanhadas (na foto, momento de oração antes da entrega das cestas). 

     Todo o trabalho de arrecadação de mantimentos e doações é feito em conjunto com a Comunidade Mãe Rainha, do Condomínio Ilha do Sul. Com o apoio das pessoas dessa equipe é possível a Pastoral da Solidariedade entregar não somente o alimento tão importante para as famílias, mas promover também comemorações de Páscoa, com entrega de panetones e ovos de chocolate, ações de inverno com a entrega de cobertores, Dia das Crianças, com a distribuição de doces e agrados aos pequenos e, no Natal, promover uma festa com comes e bebes, sobremesa e sacolinha de presente para as crianças, com roupas, brinquedos, materiais escolares e outros mimos. Além da Banca da Roupa mensal, que oferece peças em bom estado de forma gratuita a todos que precisam. 

     A Pastoral da Solidariedade conta com o trabalho de voluntários que dispõem seu tempo para assistir essas pessoas carentes não somente de comida, mas de atenção, conversa, abraço e risadas. Nesses encontros ocorre também a troca de experiências, conselhos, carinhos e distração. Dessa forma é possível conhecer as pessoas mais a fundo, fazer com que desperte nelas os melhores sentimentos e a força que precisam para enfrentar mais um período.

     O encontro mensal torna-se então um momento em que os envolvidos desejam participar. As famílias assistidas contam com a equipe em peso e chegam a perguntar se alguém, por acaso, não aparece por lá. Assim como a equipe também conta com as famílias, que chegam quietas, às vezes até abatidas e saem de lá alegres, sorridentes e aliviadas. É possível dizer que o ponto alto desses encontros se dá no momento da oração em grupo, do agradecimento a Deus, a Nossa Senhora da Esperança e na perseverança de todos. 

Colaboração especial: Roberta Armelin
Voltar Topo Enviar a um amigo Imprimir Home