Maio de 2015 - A auxiliadora dos cristãos

     A invocação a Maria Auxílio dos Cristãos está presente na ladainha de Nossa Senhora, também chamada ladainha lauretana, assim chamada por ter surgido na cidade de Loreto (Itália).

     Essa invocação mariana encontra suas raízes no ano 1571, quando Selim I, imperador dos turcos, após conquistar várias ilhas do Mar Mediterrâneo, lança seu olhar de cobiça sobre toda a Europa. O papa Pio V, diante da inércia das nações cristãs, resolveu organizar uma poderosa esquadra para salvar os cristãos da escravidão muçulmana. Para tanto, invocou o auxílio da Virgem Maria para este combate.

     A vitória aconteceu no dia 7 de outubro de 1571, em Lepanto. Do lado cristão, houve 7.500 mortos, e 17 navios destruídos. Enquanto que do lado muçulmano, houve 20 mil entre mortos, feridos ou capturados, 240 navios perdidos, 137 capturados, 50 afundados e a libertação de 12 mil cristãos que antes estavam aprisionados.

     Então, o Santo Padre demonstrou sua gratidão à Virgem acrescentando na ladainha lauretana a invocação: Auxiliadora dos Cristãos.

     Estava instaurado o título, mas não ainda o dia da festa. E a festa de Nossa Senhora Auxiliadora só foi instituída 250 anos depois, em 1816, pelo papa Pio VII, a fim de perpetuar mais um fato que atesta a intercessão da Santa Mãe de Deus. Napoleão I, empenhado em dominar os territórios pontifícios, foi excomungado pelo Sumo Pontífice. Em resposta, o imperador francês sequestrou o Papa, levando-o prisioneiro para a França. Movido por ardente fé na vitória, o Papa recorreu à intercessão de Maria Santíssima, prometendo coroar solenemente a imagem de Nossa Senhora de Savona logo que fosse liberto.

     O Santo Padre ficou prisioneiro por cinco anos, sofrendo toda espécie de humilhações. Napoleão cedeu à opinião pública e libertou o Papa, que voltou a Savona para cumprir sua promessa. E no dia 24 de maio de 1814, Pio VII entrou solenemente em Roma, recuperando seu poder pastoral. Os bens eclesiásticos foram restituídos. Napoleão viu-se obrigado a assinar a abdicação no mesmo palácio onde aprisionara o velho pontífice.

     Para marcar seu agradecimento à Santa Mãe de Deus, o papa Pio VII criou a festa de Nossa Senhora Auxiliadora, fixando-a no dia de sua entrada triunfal em Roma.

     Portanto, bem guerreiro esse título de Nossa Senhora Auxiliadora dos Cristãos. Muito útil para as nossas batalhas atuais.

Padre Ailton António dos Santos, pároco
 
Voltar Topo Enviar a um amigo Imprimir Home