Catequistas: pessoas que doam de si ao próximo

Em novembro, oitenta e duas crianças receberam a Primeira Eucaristia de forma solene e festiva na Paróquia São João Bosco e, assim, tiveram a sua primeira participação na comunhão do Corpo e Sangue de Jesus Cristo: “Quem come da minha carne e bebe do meu sangue permanece em mim e eu nele!” (Evangelho de João 6,56)


     Ano após ano, a Paróquia São João Bosco informa o número de crianças e adolescentes preparados para a Primeira Eucaristia, o que reflete a importância que uma comunidade católica atesta na formação de novas gerações, mesmo que não haja garantias de que todos aqueles que dão o primeiro passo na caminhada cristã continuarão a frequentar uma igreja. Porém, não há o que se questionar sobre o empenho, entrega e comprometimento das catequistas, as quais são mais que “professoras” voluntárias de ensino religioso – são também esposas, mães, estudantes e profissionais que além das atribuições do dia a dia e os desafios pessoais, encontram tempo para transmitir os  ensinamentos do Cristo que transforma a vida.



     Melissa Joanini, de 17 anos, atualmente faz cursinho preparatório para o vestibular e divide seu tempo com as responsabilidades de catequista. “Sempre tive vontade de ajudar e ficar com as crianças, mas parecia uma realidade distante por eu ser muito nova. Depois que fui crismada, em 2016, o Renato Jorge – SDB me convidou para ser catequista - e nisso comecei a minha caminhada na Catequese, aprendendo com as catequistas e com as crianças, quando tinha apenas 15 anos”.  Segundo ela, todos os encontros com as crianças são especiais, mas o que mais gosta é viver com elas a Semana Santa, do Domingo de Ramos até a Páscoa. “Amo quando elas chegam demonstrando afeto, querendo conhecer mais sobre Jesus”. 



     Francisca Maria da Silva Bandeira, mais conhecida como Tiquinha, é casada, tem três filhos, professora aposentada, mas ainda dá aula para crianças. Além de ser catequista, também é ministra da Eucaristia na Paróquia São João Bosco. Quando foi convidada para ser catequista em 1997, entendeu como um chamado e uma oportunidade para retribuir todo o bem que já havia recebido na comunidade em que aprendeu a ser cristã – fez a primeira eucaristia em agosto de 1966. “A vivência nos oratórios salesianos me inspirou na condução da Catequese e logo fui convidada para ser coordenadora”, comenta ressaltando o seu desejo das crianças experimentarem a alegria dos pátios salesianos.

     Entre idas e vindas, Tiquinha vivenciou outras oportunidades de apostolado na Paróquia São João Bosco e há 3 anos está novamente como coordenadora da Catequese. “Muitos são os momentos especiais nesta pastoral e, neste ano, quero destacar o tempo de confissão dos pais. Eles próprios reconheceram como uma oportunidade especial”. Segundo ela, como diria a mãe de Dom Bosco, Mamãe Margarida: “eles deram um belo e significativo exemplo para seus filhos”. 



     Sempre quis participar de algum trabalho na Paróquia São João Bosco, além das missas. Recebi um convite, que vi como um chamado de Deus, e não pude negar. Hoje ajudo na Catequese! Este foi um ano de muitas tarefas, trabalho, aprendizado e de profunda admiração pelo grupo de catequistas. Que em 2020 continue essa vivência do Evangelho através das crianças, sempre com muita alegria como Dom Bosco  incentivou. Regina Padilha, professora de Geografia, casada, mãe de três filhos



Momentos marcantes da Catequese em 2019

A Catequese da Paróquia São João Bosco atrai grande número de crianças das regiões em torno da igreja. A animação e o espírito salesiano dão o tom nos encontros de formação conduzidos pelas catequistas, orientadas pelos salesianos


     No dia da Primeira Comunhão as crianças foram convidadas pelo pároco, padre Claudio Motta e receberam a hóstia no altar. De joelhos, comungaram o Corpo e Sangue de Jesus e voltaram aos seus lugares já integrantes da família católica que celebra a Ressurreição do Cristo pela participação na Eucaristia.

     Além da Primeira Eucaristia, alguns dias antes, numa Missa de Ação de Graças presidida por padre Claudio, as crianças celebraram com as famílias, dando graças por tudo o que viveram no decorrer do ano e pelas graças recebidas.

     A animação e o espírito salesiano (“Santidade é Alegria”) dão o tom nos encontros de formação conduzidos pelas catequistas, orientadas pelos salesianos: Irmã Denize Salvador – FMA, Fabiano Bernardino – SDB, padre Claudio - SDB (responsáveis pela formação do grupo de catequistas) e outros salesianos do Instituto Pio XI, que participaram também da formação do Grupo de Pais.

     Padre Claudio foi enfático no convite às famílias para continuarem motivando as crianças a seguirem participando da comunidade nos grupos que visam facilitar o itinerário de crescimento e fortalecimento da fé das crianças.

     Os grupos da Adolescência Missionária, com o apoio dos Pais Missionários e o GACSA (Coroinhas) já começaram os preparativos para 2020!
O Grupo de Catequistas já começou a se organizar para as novas turmas – podem participar crianças de 9 a 12 anos. Segundo papa Paulo VI, “quem ajuda na evangelização, tem méritos de Evangelizador”



     Tenho 52 anos, sou catequista há quase 10, tenho um filho maravilhoso, moro com ele e minha mãe. Sou formada em Desenho Industrial, mas atualmente trabalho como motorista de aplicativos.   Tive muitas mudanças em minha vida, e quando recebi o convite para ser catequista, relutei um pouco! Mas, depois entendi o chamado não como simplesmente um trabalho voluntário e sim como uma missão de vida. Sou feliz por ter essa missão com as crianças e suas famílias! Sou instrumento de Deus. 

     Nessa jornada percebo que no decorrer dos encontros as crianças vão se animando, entendendo o propósito da Catequese, conhecendo Jesus e fazendo amizades. É maravilhoso ver quando já estão animadas e algumas até dizendo que querem continuar no próximo ano. Quero, cada vez mais, me empenhar nessa missão. Obrigada meu Deus!!! Agnes de Souza Fedel



Doação além das fronteiras

     Sou formanda no Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora (salesianas) e estou no primeiro ano da etapa formativa do noviciado. Atualmente realizo a missão apostólica na Paróquia São João Bosco, na Catequese, acompanhando as crianças que se prepararam para a Primeira Eucaristia.

     Essa etapa formativa me dá a oportunidade de estar na Catequese, especialmente entre as crianças, os pais e catequistas.  Cada encontro é especial, porém evidencio os momentos da “boa tarde” e celebração Eucarística, que são especiais pelo fato de estarem todos reunidos e acompanhados de seus familiares. Demos glória a Deus que nos faz tantas maravilhas e rezemos para que esta animação criativa do Santo Espírito continue a fecundar muitos corações ! Que essa bela missão evangelizadora continue nesta paróquia. Denise Menezes Alencar, indígena da etnia Tukano, Amazonense



Testemunhos de amor e valorização ao próximo

A equipe de pastoral de Catequese conta atualmente com 12 voluntárias, que entendem seu trabalho com as crianças e pré-adolescentes como um chamado. Elas dedicam tempo, paciência e amor na orientação dos princípios e valores cristãos

     Tenho 26 anos, sou babá, estudante de Pedagogia, mãe, e participante do grupo de Catequese com adultos para receber o sacramento do Crisma. Creio que Deus tem um propósito para cada um de nós! Entrei para o grupo de Catequese com adultos, comecei a frequentar a missa nos finais de semana, conheci o grupo de catequistas e, quando recebi o convite para auxiliar numa das salas do infantil, aceitei com muito amor e gratidão, tendo a certeza que Jesus e Nossa Senhora sempre estão presentes conosco. Desejo para 2020, que as crianças aprendam com Jesus a viver o amor ao próximo e ter fé! Espero continuar a espalhar as sementes de fé por onde eu passar. Gislaine Maria da Silva



     Tenho 39 anos, sou empresária no ramo da alimentação “Minha Mãe Fazia”. Sou ministra de Eucaristia e catequista. Recebi o chamado de Deus para ser catequista depois que meu filho fez Primeira Eucaristia, e vivi um ano muito especial no Grupo de Pais Missionários. Aceitei com muito carinho, porque levar a palavra de Deus para as crianças faz parte da minha missão e me sinto feliz por fazer parte da vida delas. Neste ano agradeço a Deus pelos momentos maravilhosos. Cada um foi muito especial, mas o encontro Pascal foi rico, pois eles puderam conhecer Jesus Cristo, o Rei Humilde. Flávia Mendes Cicio



     Sou professora aposentada, atualmente faço trabalho voluntário no Centro Juvenil Salesiano Dom Bosco, obra social da Paróquia São João Bosco. Também sou ministra e catequista para a Primeira Eucaristia. Iniciei meus trabalhos na paróquia como dirigente do Grupo de Perseverança - Esperança – e fiquei 10 anos. A partir daí fui convidada para coordenar a Catequese e depois passei a ser catequista, o que significa para mim um chamado de Deus . É um serviço realizado com o coração. Trabalho na paróquia há 35 anos. Maria da Conceição Rodrigues Castanheira



     Além da Catequese, estou na formação humana com os jovens do Centro Juvenil Salesiano Dom Bosco, obra social da Paróquia São João Bosco, junto com as outras noviças. Todos os momentos na Catequese são especiais e significativos, mas entre eles, acredito que os encontros com as famílias dos catequizandos são marcantes, pois geram forte aproximação entre todos os envolvidos. Que a Catequese de 2020 seja recheada de momentos felizes, vividos em um clima família. Gisele Ferreira dos Santos, noviça das Filhas de Maria Auxiliadora – FMA 



     Trabalho como auxiliar de recepção na Auraclara. Já participei da Pastoral da Criança e fiz cursos no Centro Profissionalizante do Centro Juvenil Salesiano Dom Bosco. Atualmente dou auxílio na Catequese, nas tardes de sábado. Faço parte da Paróquia São João Bosco desde que era criancinha e gosto muito de ajudar, pois aprendo quando convivo com as crianças e as famílias. Quando Renato Jorge, SDB, me convidou em 2017 para ser catequista, fiquei muito feliz e logo aceitei. A celebração da Primeira Eucaristia é sempre linda e especial, quando as crianças têm o seu encontro com Jesus Cristo Vivo. Ana Carolina Silva Bandeira



     Atualmente estou aposentada. Dedico meu tempo há 12 anos à Catequese para a Primeira Eucaristia e, este ano, também atuei como vice coordenadora. Sempre me senti tocada em atuar com crianças na comunidade, até que, atendendo ao convite para ser catequista, pude colocar em prática o dom recebido. Amo estar com as crianças.

     Espero que eu possa dar continuidade a esse trabalho que tanto me alegra. É gratificante ver germinar a semente que plantamos a cada ano no coração das crianças. Louvado seja Deus! Isabel Aparecida B. Cavalcante



     Em 2019 fui enviada para São Paulo, para compor a comunidade formadora do Noviciado Interinspetorial das Filhas de Maria Auxiliadora, como assistente das noviças. Além das responsabilidades próprias de uma casa de formação, também dedico tempo para o apostolado na Paróquia São João Bosco. Contribuo na formação dos jovens no Centro Juvenil, de catequistas e pais. Acompanho junto com a coordenação da Catequese o caminho de iniciação à vida cristã das crianças e adolescentes. Dois retiros foram bem significativos este ano: o que aconteceu com as crianças e os pais, no qual foi entregue o Terço e o Magnificat e, no outro, a preparação para a Primeira Comunhão. Foi bonito ver a participação das crianças nas celebrações, bem como os pais que estiveram presentes testemunhando sua fé. Sou muito feliz em poder contribuir no caminho de evangelização, de ajudar as pessoas a conhecerem e amarem Nosso Senhor Jesus Cristo. Irmã Denize Salvador - FMA, da Inspetoria Nossa Senhora Aparecida, em Porto Alegre - RS
Voltar Topo Enviar a um amigo Imprimir Home