Junho de 2016 - Débora, única mulher na condição de profetisa e juíza em Israel

     Algumas pessoas são líderes improváveis. Superficialmente, elas parecem não ter as características que geralmente estão associadas à grandeza e ao poder. Débora faz parte desse grupo especial de pessoas. Na época dos juízes, ela tornou-se líder de Israel. Pelos  padrões atuais, ela era uma candidata improvável para essa tarefa tão relevante. A Bíblia fala pouco sobre suas credenciais, a não ser que era esposa e mãe (Jz 4.4; Jz 5.7), o que não a qualificava para dirigir um país. Porém, Débora tinha a mesma vantagem que Davi: fé em Deus.

     Numa época em que Israel andava aos tropeços e cada homem fazia aquilo que parecia certo aos seus próprios olhos, Deus escolheu uma mulher de grande fé que estava disposta a segui-Lo em obediência. As Escrituras dizem que Débora era uma profetisa, o que significava a responsabilidade de transmitir ao povo a Palavra de Deus. Era uma juíza, portanto, julgava as pessoas que vinham até ela para resolver suas contendas. Também era esposa e mãe.

     Seu feito mais conhecido ocorreu quando os israelitas clamaram a Deus por libertação depois de vinte anos de opressão sob o jugo de Jabim, rei de Canaã. O poderoso Jabim tinha 900 carros de ferro e governava a partir de Hazor, no Norte de Israel. Débora convocou Baraque, da tribo de Naftali, da região de Hazor. Quando ele chegou, Débora corajosamente transmitiu-lhe o plano de Deus. Baraque estava disposto a obedecer, mas insistiu que Débora fosse com ele. Ela concordou, porém disse a Baraque que assim ele cederia a uma mulher a honra de capturar Sísera.

     Naquele dia Deus sustentou Israel, como Débora sabia que Ele faria. O Senhor enviou uma chuva torrencial que inundou o ribeiro Quisom e fez com que a armada aparentemente invencível de Sísera atolasse na lama. Este fugiu e foi engodado por Jael, outra mulher, que cravou uma estaca de tenda em sua cabeça e o matou. Débora era uma mulher de profunda fé e grande discernimento espiritual. Havia avaliado a sombria situação de seu país com perspicácia (Jz 5), compreendeu o motivo da decadência e assumiu a responsabilidade pela nação. 
Voltar Topo Enviar a um amigo Imprimir Home