Agosto de 2016 - O Evangelho da alegria vocacional

     Não deixemos que nos roubem a alegria de viver nossa vocação nos caminhos do Evangelho de Jesus Cristo. Ele é a razão de ser de nossa resposta vocacional!

     O Evangelho do 19º DTC nos diz que não devemos temer se estamos em Deus e com Deus. Ele é nosso tesouro maior e com ele devemos viver a simplicidade, a entrega. Há “tesouro” que a traça corrói ou que os ladrões roubam: esse não é o nosso. O desapego das coisas e o apego a Deus nos deixam livres para viver o amor e com amor. Importa viver com lucidez, responsabilidade, fermentando a vida de nossa comunidade com a esperança que vem só de Deus e nos impulsiona a caminhar. Ele é quem guia nossas vidas.

     “Eu vim para lançar fogo à terra, e como gostaria que já estivesse aceso” (Lc 12, 49), nos diz Jesus no Evangelho do 20º DTC. É um convite a sair da passividade, do comodismo, da vida sem ardor. Seguir Jesus nos desinstala. Isso pode criar conflitos. O processo de conversão envolve decisões fortes. Para segui-lo não se pode ter coração apagado. Sua palavra deve inflamar e fazer arder nossos corações. Seu fogo deve continuar queimando nossos corações no caminho da coerência, da sinceridade, da fidelidade perseverante... custe o que custar!

     Fazemos uma pausa nos domingos comuns para celebrar a Assunção de Nossa Senhora! E o Evangelho (Lc 1, 39-56) vem nos mostrar uma mulher servidora. A mulher/mãe que disse “sim” à proposta e projeto de Deus, se põe logo a ser servidora e parte apressadamente para servir Isabel!

     Na celebração do 22º DTC,  mais uma vez Jesus nos dá o exemplo, o testemunho, a lição de humildade que devemos viver. No banquete ao qual foi convidado, Jesus sacudiu a consciência dos presentes... Nada de escolher os primeiros lugares, nada de pompas (civis, religiosas, litúrgicas ou eclesiásticas). A maior pompa é o serviço fraterno. O cristão não pode ser presença por interesses escusos, por busca de prestígio. Somos convocados a buscar e viver relações mais humanas, fraternas, que tornem possível uma vida mais digna para todos. 
Que o Senhor nos ajude a responder com alegria ao chamado que Ele nos faz: ser seguidores para fazer acontecer algo novo, que vem do Deus que nos ama com amor incondicional, pois ele é misericórdia e quer que amemos como Jesus nos amou.

Padre Assis Moser, sdb.
Voltar Topo Enviar a um amigo Imprimir Home