Setembro de 2016 - Ainda seu vocabulário característico

     Damos prosseguimento ao estudo do vocabulário do evangelista João. Esse vocabulário é uma necessidade para quem realmente quer entendê-lo. E depois vivê-lo.

     Verbo/Palavra: toda palavra expõe, esclarece, manifesta. Aqui ela indica o Filho de Deus que pela encarnação se tornou “a manifestação suprema de Deus no seio da humanidade”. Continua a TEB: “Enquanto Filho eterno, o Cristo é a expressão perfeita do Pai (cf.Col 1,15: imagem do Deus invisível; Fl 2,6: de condição divina; Hb 1,3: resplendor da glória do Pai)”.

     Vida/vida eterna: é Cristo ou sua ação que leva o ser humano a viver de modo pleno (vida física e vida divina). Para João – diversamente dos sinóticos – a ‘vida eterna’ já começa aqui na terra.

     Luz: é Cristo ou sua ação enquanto indica o verdadeiro caminho para a felicidade plena. Em 8,12 o próprio Jesus explica em quê ela consiste.

     Amor (ágape): o grande modelo é o próprio Jesus que deu a sua vida por nós. Esse ir gratuito ao encontro do outro para o fazer crescer e o salvar, isso é o amor-ágape.

     Água: aparece nas núpcias de Caná, no diálogo com a mulher samaritana, na cena de Jo 7,37-39 (festa das Tendas), na cena do Calvário em que sangue e água escorrem do lado de Jesus ferido pela lança. Simboliza a vida divina e, mesmo, o Espírito Santo (4,14; 7,38-39). Fala-se naturalmente da água corrente dos rios e das fontes, não da água parada, estagnada.

     Pão da vida / pão do Céu: é ora a Palavra de Deus, isto é, a revelação trazida por Jesus (6,32.51ab), ora a sua carne que recebemos na Eucaristia (6,51c).

     Carne: em 1,14 indica a natureza humana na sua condição de fraqueza. Na sua extrema bondade o Verbo a assumiu mesmo assim.

     Adoração em espírito e verdade: “O dom do Espírito permite conhecer e adorar a Deus como Pai: tal é o culto em verdade que vai caracterizar os tempos finais (escatológicos) que começam” (TEB).

     Hora: é o momento da manifestação da glória de Jesus, que em geral é nesse evangelho o momento da sua morte e ressurreição (ver Jo 7,30; 8,20; 12,23; etc.). Não indica hora de relógio.

     Sinal: os milagres em João são ditos sinais. Selecionados com cuidado, conduzem a realidades invisíveis no nível da fé. Assim, por exemplo, Jesus é focalizado como verdadeiro pão do Céu na multiplicação dos pães. Não chegar a essa compreensão é algo que pode merecer a repreensão de Jesus, como se vê em 6,26.

     Judeus: João usa pejorativamente o termo ‘judeus’, generalizando. Mas ele quer indicar os líderes judeus que ‘encarnam as trevas e a hostilidade do mundo’ (TEB; já explicamos o uso do termo mundo no artigo anterior).

     Concluindo com um convite: estamos começando o Mês da Bíblia, ocasião ótima para fazermos uma leitura atenta, amorosa, do evangelho que estamos estudando. Sugerimos ao leitor a leitura de um capítulo por dia (são 21 capítulos). 


Padre Alcides Pinto da Silva atua na Obra Social São João Bosco, em Campinas
Voltar Topo Enviar a um amigo Imprimir Home