Boa tarde!           Quarta 20/06/2018     15:58
Cadastre seu e-mail e receba nossos informativos: Nome Email

Campanha da Fraternidade visa o combate à violência

Uma sociedade cada vez mais afligida pela violência diária é a principal preocupação da Igreja Católica para 2018, que convida a fieis e não fieis a refletirem sobre as causas e soluções para superar a crescente violência observada todos os dias – nas grandes e pequenas cidades, nas residências, dentro das famílias, nas ruas e rodovias –, contra homens e mulheres, adultos, idosos e crianças


     Em 2018, a Campanha da Fraternidade traz como tema: “Fraternidade e superação da violência” e o lema será “Vós sois todos irmãos (Mt 23,8)”. O cartaz reforça o propósito da campanha e traz pessoas de diversas idades e etnias em círculo e de mãos dadas, unidas em prol de um objetivo comum. Além da reflexão sobre o tema a partir da perspectiva dos Direitos Humanos e Cristã, a Campanha de 2018 apresentará um mapeamento da violência no país e iniciativas já existentes para superar essa problemática. O objetivo é o de construir a fraternidade a partir da promoção da cultura da paz, da reconciliação e da justiça, à luz da palavra de Deus como caminho de superação da violência.

     A Campanha da Fraternidade inicia oficialmente no mês de março. Foi criada em 1961, como expressão de comunhão, conversão e partilha, com o objetivo permanente de despertar o espírito comunitário e cristão. Naquele ano, três padres iniciaram uma campanha para arrecadar fundos para atividades assistenciais realizadas pela Igreja na cidade de Natal, no Rio Grande do Norte. A ação cresceu ano a ano e, em 2018, a Campanha da Fraternidade completará 57 anos.


________________________________________________________________

Oração da Campanha da Fraternidade

Deus e Pai, nós vos louvamos pelo vosso infinito amor
e vos agradecemos por ter enviado Jesus, 
o Filho amado, nosso irmão.
Ele veio trazer paz e fraternidade à terra e, cheio de
ternura e compaixão, sempre viveu relações repletas 
de perdão e misericórdia.
Derrama sobre nós o Espírito Santo, para que, com o 
coração convertido, acolhamos o projeto de Jesus e 
sejamos construtores de uma sociedade justa e sem 
violência, para que, no mundo inteiro, cresça o vosso 
Reino de liberdade, verdade e de paz. Amém!

________________________________________________________________

Negros e jovens são maiores vítimas da violência


Segundo o Atlas da Violência 2017, produzido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) em parceria com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), o Brasil registrou, em 2015, mais de 59 mil homicídios. Isso significa 28,9 mortes a cada 100 mil habitantes


     O levantamento analisou dados do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde, referentes ao intervalo de 2005 a 2015, e utilizou informações dos registros policiais publicadas no 10º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, do FBSP. Para listar os 30 municípios potencialmente mais violentos e menos violentos do Brasil.
 
     Mais de 318 mil jovens foram assassinados no Brasil entre 2005 e 2015. Apenas em 2015, foram 31.264 homicídios de pessoas com idade entre 15 e 29 anos, uma redução de 3,3% na taxa em relação a 2014 (veja abaixo). Os homens jovens continuam sendo as principais vítimas: mais de 92% dos homicídios acometem essa parcela da população. Em Alagoas e Sergipe a taxa de homicídios de homens jovens atingiu, respectivamente, 233 e 230, 4 mortes por 100 mil homens jovens em 2015.

     A cada 100 pessoas assassinadas no Brasil, 71 são negras. De acordo com informações do Atlas da Violência 2017, os negros possuem chances 23,5% maiores de serem assassinados em relação a brasileiros de outras raças, já descontado o efeito da idade, escolaridade, do sexo, estado civil e bairro de residência.

     Os dados sobre mortes decorrentes de intervenção policial apresentam duas variações: as analisadas por números do SIM na categoria “intervenções legais e operações de guerra” (942) e os números reunidos pelo FBSP (3.320) em todo o país. Os estados que mais registraram homicídios desse tipo pelo SIM em 2015 foram Rio de Janeiro (281), São Paulo (277) e Bahia (225). Pelos dados do FBSP, foram registrados em São Paulo 848 mortes decorrentes de intervenção policial, 645 no Rio de Janeiro 645 e 299 na Bahia.



________________________________________________________________

Questão de compromisso

     A partir do tema da Campanha da Fraternidade 2018, marque abaixo as atitudes que você assumirá na sua vida pessoal e na convivência com o próximo. Esteja sensível e persista. 

     (    ) Buscar a justiça, jamais a vingança
     (    ) Acolher o diferente
     (    ) Ser flexível
     (    ) Ter paciência
     (    ) Não corrigir para humilhar
     (    ) Aceitar que o outro também erra
     (    ) Aprender a pedir perdão
     (    ) Evitar discutir assuntos que incitam à agressão
     (    ) Dirigir defensivamente
     (    ) Ser capaz de perder para não brigar
     (    ) Controlar o próprio temperamento
     (    ) Aceitar o conflito, nunca o confronto
     (    ) Discordar com respeito e caridade
     (    ) Evitar a maledicência
     (    ) Criar um ambiente de paz
     (    ) Não fazer aos outros aquilo o que não quer que faça com você
     (    ) Converter-se!

Fonte:portalkairos.org/campanha-da-fraternidade-2018

________________________________________________________________

Campanha da Fraternidade 2019

     Os bispos do Conselho Episcopal Pastoral (Consep) da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) já definiram qual será o tema da Campanha da Fraternidade 2019. Após empate com outra proposta, foi escolhido – por seis votos a quatro – o tema “Fraternidade e políticas públicas”. A partir de 98 sugestões enviadas por dioceses, regionais e órgãos governamentais, entre eles a Polícia Rodoviária Federal, os bispos chegaram a sete eixos temáticos que foram levados à votação: políticas públicas, trânsito, comunicação, família, educação, direitos humanos e fraternidade. A proposta vencedora ganhou peso com argumentos que destacavam que “políticas públicas” é um tema mais abrangente e envolve todas outras propostas apreciadas pelos membros do conselho, como direitos humanos e sociais, família, educação, trânsito e comunicação.   Fonte: Rádio Vaticano

Voltar Topo Enviar a um amigo Imprimir Home