Boa tarde!           Domingo 21/10/2018     17:40

Noviciado: um tempo de Graça

O noviciado, um tempo de profunda e intensa experiência com Deus, é o período da verdadeira iniciação à vida religiosa que, para o Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora-FMA (Irmãs Salesianas), tem a duração de dois anos. Nesse tempo, as jovens noviças realizam ricas vivências comunitárias, aprofundando os valores do carisma salesiano no itinerário de seguimento a Jesus

     Em comunidade, as noviças  vivem o espírito de família na alegria, característica do carisma salesiano, assumindo a identidade da FMA, na serenidade do dia a dia, crescendo sempre mais no sentido de pertença à família religiosa.

     É próprio dessa etapa formativa o cultivo da oração pessoal e comunitária para o crescimento na relação de configuração a Cristo. Sendo assim, no entusiasmo e com convicção respondem ao chamado que Deus faz a cada uma. Assim como nas etapas anteriores, aprofundam e ampliam o conhecimento, através dos estudos propostos, buscando uma verdadeira assimilação vital. 

     Com as oportunas e significativas experiências apostólicas que realizam: formação humana no Centro Juvenil Dom Bosco, catequese de Crisma e Primeira Eucaristia na Paróquia São João Bosco, oratórios festivos na comunidade de São José em Perus e no Colégio Liceu Coração de Jesus em Campos Elíseos, abrem-se para o sentido da missão e para a realidade juvenil, onde são chamadas a serem como Jesus, boas pastoras e como Maria, Auxiliadoras entre a juventude, tendo sempre presente no seu modo de ser e agir o Sistema Preventivo, herança recebida de Dom Bosco.  

     Atualmente o Noviciado Interinspetorial Nossa Senhora das Graças, situa-se em São Paulo, no Alto da Lapa. Acolhe as jovens provenientes das 9 Inspetorias do Brasil. Contam com a presença de 11 noviças e 4 Filhas de Maria Auxiliadora, vindas de várias partes do país.

Por Leandro Francisco da Silva, SDB



Noviças indígenas ampliam valorização cultural

     A Paróquia São João Bosco tem o noviciado interinspetorial das Irmãs Filhas de Maria Auxiliadora, do qual participam noviças de várias inspetorias do Brasil. Entre  elas, duas são indígenas, da Inspetoria de Manaus, e partilham sua cultura, enriquecendo a comunidade e ajudando no resgate e valorização da etnia. “Nos sentimos acolhidas e somos gratas por podermos expressar as nossas raízes e partilhar a mesma experiência que temos com o nosso povo. O fato de sairmos da nossa própria terra nos enriquece, pois alarga o nosso olhar, amplia nossos conhecimentos e experimentamos estar em uma única família, mesmo em meio às diversas culturas”, concordam as suas.

     Justiane de Jesus Pacheco Ferreira (na foto à esquerda), de 23 anos, é de São Gabriel da Cachoeira (AM), no Rio Negro. Lá não se mede a distância em quilômetros, mas em tempo de viagem de barco. São Gabriel da Cachoeira fica a um dia e uma noite de barco de Manaus. Ela tem três irmãos e é da etnia tucano. E fala tucano.

     Natalia Ferreira Melo (na foto à direita), de 23 anos, é de Iaueretê, distrito de São Gabriel da Cachoeira,  próximo à Colômbia. Tem dois irmãos. É da etnia tariana. Mas ela, como os pais, não aprendeu a falar o  próprio idioma. Aprendeu a falar o tucano, que é a língua geral da região.

     Na Congregação das Filhas de Maria Auxiliadora, elas fizeram o aspirantado em São Gabriel da Cachoeira, depois um ano de convivência em Iaueretê, seguido de mais um ano em Manaus. Na formação conjunta das Filhas de Maria Auxiliadora fizeram dois anos de formação em Recife, e vieram para fazer o noviciado em São Paulo.

     Depois dos votos religiosos, elas não necessariamente vão voltar para as nações indígenas onde nasceram. Mas, como freiras, vão trabalhar na missão salesiana onde as necessidades pastorais da missão salesiana o exigirem, exatamente como as demais freiras.

Voltar Topo Enviar a um amigo Imprimir Home