Boa noite!           Terça 17/07/2018     18:00

Mais de 300 voluntários de pastorais se unem por um único propósito


Por volta do ano 2000, a Festa Junina da Paróquia São João Bosco começou a aquecer e  contagiar as pessoas. Antes, apesar de algumas tentativas o evento não engrenava. Mas, algo mudou e a comunidade percebeu o grande potencial da unidade

     A cada ano a expectativa de público, atrações, guloseimas e até o envolvimento de voluntários é superada. O objetivo principal do evento sempre foi angariar fundos para a criação e manutenção de projetos do Centro Juvenil Salesiano Dom Bosco, obra social da comunidade que se preocupa com o bem-estar e o futuro de crianças, adolescentes, jovens e adultos de baixo poder aquisitivo. E por esse motivo, ao longo dos anos, centenas de pessoas arregaçam as mangas e colocam as mãos literalmente na massa, no doce, no tempero, na decoração e onde mais for necessário para a realização de um bem-sucedido evento.

     Comunidade Nossa Senhora da Esperança - Na atribuição de tarefas, coube à Comunidade Nossa Senhora da Esperança a elaboração de doces caseiros: doce de abóbora, arroz doce, doce de coco, curau, pipoca doce e salgada, etc. A cada ano, a demanda cresce e, na mesma medida, o entusiasmo das pessoas envolvidas para fazer mais e melhor. Certa ocasião, para fazer um teste, os voluntários prepararam 9 quilos de pernil, o que teve saída quase instantânea e deixou muita gente com gostinho de quero mais. No segundo dia da quermesse foram feitos 12 quilos. Sucesso total. No terceiro, a “brincadeira” passou para 30 quilos. Em 2018, na última edição do evento, realizado nos finais de semana de junho, os voluntários trabalharam com uma média de 80 quilos de pernil em cada um dos três dias de festa,  sem sobras. E, mais! A barraca tem custo zero para a paróquia e obra social. Todas as despesas, desde o pernil até os acessórios para a decoração, são assumidas pelo senhor Antônio Carlos Pomarico, que também tem se revelado exímia mão de obra na produção dos sanduíches. 

     Com o aumento da produção, a permissão da diretoria do Instituto PIO Xl para a utilização da cozinha industrial e a valorosa ajuda da senhora Rosa, chefe da cozinha, todo o trabalho para preparar o perfil e os sanduíches passou a ser executado no espaço maior e mais bem equipado, o que ajudou muito na produção.

     No período de festa, a movimentação é intensa e requer uma programação eficiente. O evento acontece aos sábados, mas desde a terça-feira anterior, a equipe de voluntários já está a todo vapor. São idas e vindas ao Ceasa e ao Mercado da Lapa para a compra dos ingredientes, das peças para a decoração, utensílios para servir as guarnições. De terça a sexta-feira, adultos e jovens se unem e doam tempo, disposição, habilidade sem esperar nada além do sorriso de satisfação de quem começa a comer com os olhos e se denuncia lambendo os cantos da boca. Essa é a realidade da equipe de voluntários da paróquia, que vem se dedicando anualmente para oferecer o seu melhor. 



     “A nossa participação nas festas juninas da Paróquia São João Bosco sempre aconteceu com muita dedicação, capricho e alegria. Desde a compra dos produtos selecionados até o preparo realizado durante a semana para manter qualidade e sabor. Lourdinha Crepaldi, coordenadora Comunidade Nossa Senhora da Esperança



     Barraca das bebidas - “A equipe que trabalhou nessa barraca mostrou com clareza o que é nossa comunidade: os jovens da Juventude Missionária trabalharam junto com os adultos dos Vicentinos e Dízimo, ou seja, diferentes gerações juntas por uma mesma causa! Todos trabalharam muito e deram um gás ainda maior no último dia de festa, que foi o mais movimentado. O sorriso no rosto, o apoio mútuo e os olhos no mesmo propósito foram unanimidade na nossa equipe”.  Ana Beatriz de Oliveira, 24 anos, Pastoral da Comunicação 

     Barraca da roleta - “Trabalhar nas barracas, para uma ex-aluna do Centro Profissionalizante, agora jovem da paróquia e voluntária na festa, é uma decisão que revitaliza o compromisso de ajudar as pessoas, servir da forma que podemos e voltar a ser criança. Não é um trabalho simples, porque estamos ali diante de uma responsabilidade com os jovens e crianças da comunidade, que foi uma coisa que Dom Bosco criou. Todos os jovens que trabalharam ao meu lado tiraram tempo de outras tarefas para estar ali, como eu, e acho gratificante estar presente nesses momentos.” Mickaela Carvalho Arruda, 18 anos, Grupo da Dança

     Barraca do basquete - “Essa foi uma experiência muito bacana, devido a nossa receptividade não somente pela interação com o grupo da igreja, mas também com as pessoas da comunidade das mais variadas idades, desde crianças a adultos, que puderam esquecer um pouco dos problemas e se divertir com a família, tendo a oportunidade de relembrar as brincadeiras que ficaram no passado. É muito importante a participação da juventude, pois dão ainda mais energia e alegria à festa junina. Também é uma oportunidade de conhecer e fazer parte dos grupos.” Leonardo Damas, 24 anos, do Grupo de Animação Missionária
Voltar Topo Enviar a um amigo Imprimir Home